Inhotim - Eixo Rosa

Eixo Rosa em frente ao Restaurante Oiticica.

Já falei o quanto Inhotim é maravilhoso e da necessidade de dispor de dois ou três dias para conhecê-lo. Eu já sabia que apenas um dia não seria o suficiente e separei dois dias para visitar esse lugar incrível. Confesso que foi cansativo, mas suficiente. Só recomendo três dias para quem quiser conhecer tudo com muita calma e observar cada detalhe, cada obra de arte. O Parque é grandioso e no fim do segundo dia eu sai de lá querendo voltar!

O Parque é dividido em 3 Eixos (ou 3 caminhos): AmareloLaranja e Rosa. São nesses eixos onde as obras e galerias foram distribuídas. O Eixo Amarelo fica na parte central, sendo todo feito a pé. Já os eixos Laranja e Rosa são maiores e algumas obras e galerias ficam bem distantes. O recomendado é fazer esses dois trechos no mesmo dia e contratar o serviço dos carrinhos de golfe.


Eixo Rosa - Obras e Galerias




O Eixo Rosa abriga 7 Galerias e 4 obras. A primeira obra a partir da recepção é a A4. Não seguimos exatamente a ordem do mapa, porém vou tentar destacar o que gostei seguindo uma ordem do que estava próximo.


A4 - Dan Graham


  • Bisected Triangle, Interior Curve
Material: vidro espelhado e aço inoxidável.

Os pavilhões de Graham têm como material constitutivo básico vidros - quase sempre com espelhamentos, seguros por bordas de metal. A partir de formas simples, muitas delas curvas, os espelhos provocam distorções em seus reflexos, assim como sobrepõem camadas de profundidade, causando confusão na percepção do espaço ao redor, misturando o dentro e o fora. Há um espelho côncavo e um convexo no interior da obra.





A17 - Yayoi Kusama


  • Narcissus Garden Inhotim, 2009
Material: Aço inoxidável.

A obra consiste em 500 esferas de aço inox que flutuam sobre o espelho d'água do Centro Educativo Burle Marx, criando formas que se diluem e se condensam de acordo com o vento e outros fatores externos, refletindo tudo a sua volta, inclusive o próprio expectador, criando, nas palavras da artista, "um tapete cinético".



Eu achei esse espaço incrível! Bem elaborado e muito lindo. As esferas nunca estão no mesmo lugar, elas mudam de posição de acordo com a força do vento. Uma pena elas estarem tão afastadas nesse dia.




A obra A17 fica atrás da recepção, na cobertura do Centro de Educação e Cultura Burle Marx.

A12 - Hélio Oiticica


  • Invenção da cor, Penetrável Magic Square #5, De Luxe, 1977
Baseados no quadrado, estes espaços se oferecem ao espectador como grandes áreas de permanência de convívio, colocando-o em contato vivencial com a forma, a cor e os materiais.



G6 - Galeria Lago


A Galeria Lago é um dos 4 espaços do Inhotim dedicados à exposições temporárias. Abaixo estão algumas obras expostas quando visitamos em 31/10/2015.


David Medalla

  • Cloud-Gates Bubble Machine, 1965/2013
Material: Acrílico, espuma, mangueiras, sistema de bomba de ar e de água.

Medalla percebeu que a arte poderia ser feita de materiais não convencionais, que desafiavam o conceito de escultura e refletiam sobre suas vivências. Nessa obra estão presentes oposições formais, como o estático e o cinético, o autoral e o aleatório e questões afetivas, como os fluxos, os ciclos de criação e destruição necessários às transformações e a conexão entre diferentes histórias.

Esses tubos estavam cheios de espuma que, com o tempo, aumentavam e escapavam deles. Na foto não ficou nítido.

Geta BratescuO Jardim e Outros Mitos


Geta Bratescu possui uma extensa obra em colagem, têxtil, fotografia, filmes experimentais e de animação, instalação e gravura.


  • Gradina, 1991
Colagem e têmpera sobre o papel. 

  • Portret ale Medeii, 1979
Litografia em cinco cores sobre papel.



Sobre as obras de Bratescu aqui.

G12 - Matthew Barney


  • De lama lâmina, 2009
Material: Domo geodésico em aço e vidro, trator florestal, escultura em polietileno de alta densidade.

A arquitetura da galeria foi uma das que mais gostei. Muito linda! Confira aqui.




G10 - Doug Aitken


  • Sonic Pavilion, 2009
Material: Pavilhão de vidro e aço, revestido de película plástica, poço tubular de 202 m de profundidade, microfones e equipamento de amplificação sonora.

É o resultado de um processo de 5 anos, entre pesquisa, projeto e construção. A partir de um buraco de 202 m de profundidade feito no solo, foram instalados vários microfones que captam o som da Terra. O som é transmitido em tempo real por meio de um sistema de equalização e amplificação, no interior de um pavilhão de vidro, vazio e circular.


Buraco de 202 m de profundidade.


Essa galeria é genial! São sons variados e bem intensos. Diferente de tudo que já ouvi. É comum encontrar pessoas deitadas no interior da Galeria viajando e "curtindo" o som.




Assim termina o Eixo Rosa. São 5 sanitários, o Restaurante Oiticica e bebedouros ao longo do caminho. 

OBS: 

  • Não fotografei tudo, pois algumas coisas não me interessaram;
  • As fotos são de 2015 e algumas obras não estão mais em exposição; 
  • Visitamos o Inhotim em fevereiro de 2019 e  ainda vou atualizar esse post;
  • Os textos das obras foram retirados do site do Inhotim.

See you later!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ei, seja bem vindo (a) ao Blog Parada Obrigatória! Fique à vontade para perguntar e deixar Sugestões. Att, Aislana Cole